Uma nova batalha comercial promete movimentar a vida dos produtores de bananas do Brasil. Reportagem da Folha de S. Paulo informa que a Justiça acatou ação movida por bananicultores e proibiu a compra do produto do Equador. A alegação é de que a fruta do vizinho está contaminada por vírus que não existe no Brasil.

Agência Brasil
Brasil produz cerca de 7 toneladas de bananas por ano

O Brasil produz, hoje, cerca de 7 milhões de toneladas de bananas todos os anos. A quantidade produzida, somada aos argumentos dos bananicultores, convenceu até mesmo o presidente Jair Bolsonaro. Em uma transmissão ao vivo realizada no Facebook, Bolsonaro mostrou-se preocupado com a situação: “Afinal como é que pode uma banana sair do Equador, andar 10 mil quilômetros, passando pelo canal do Panamá e pelo porto de Santos, e chegar a um preço competitivo lá no Ceagesp, em São Paulo, se a 150 quilômetros de São Paulo você tem o Vale do Ribeira, cuja economia em grande parte é a banana?”, questionou.

A decisão da Justiça, no entanto, já havia sido proferida uma semana antes da declaração do presidente. E a motivação foi sanitária e não comercial, como sinalizou Bolsonaro.

Comércio

O vírus indicado na ação movida pela Confederação Nacional dos Bananicultores (Conaban) é o Mosaico das Brácteas da Bananeira (BBrMV). Esse agente não existe no Brasil e as importações poderiam trazê-lo e prejudicar a produção nacional.

Vale ressaltar que a pressão da Conaban contra a fruta vinda do Equador existe desde 2004, quando produtores equatorianos indicaram que gostariam de entrar no mercado brasileiro. A Conaban sempre se posicionou afirmando que o debate jamais foi comercial, mas, sim, fitossanitário.

O Brasil tem um bom mercado externo para a banana produzida em suas terras. Em 2018, o Uruguai, a Argentina e o Reino Unido foram os principais comprados.

>> Leia também: Agronegócio e o meio ambiente. Um jogo a ser jogado

Deixe um comentário

avatar
Fechar Menu